A Squid, empresa especializada em marketing de influência, produziu uma pesquisa sobre o engajamento de postagens e stories com o uso das hashtags #publi ou #ad. A análise comprovou que a audiência de influenciadores com menos seguidores tendem a engajar mais, mesmo em posts de publicidade. Os produtores que têm entre 30 a 60 mil followers quando postam conteúdos patrocinados possuem uma taxa de engajamento 13% maior do que sem publicidade.Se pararmos para pensar, isso mostra que os micro influenciadores que usam as hashtags de publicidade acabam engajando melhor em suas publicações do que os macro.
 
Além disso, a Squid constatou que mesmo tendo as maiores taxas de engajamento entre todas as faixas etárias, os influenciadores que possuem entre 18 e 24 anos são os mais prejudicados pelo conteúdo com as hashtags #publi ou #ad no feed. Dentro desse grupo, as postagens sem publicidade engajam 16,8% mais. Para entender melhor esse levantamento, que analisou 140 mil influenciadores, entre o período de setembro de 2019 a fevereiro de 2020, conversamos com a Isabela Ventura, CEO da Squid. Confira entrevista completa: 
 
 

ADNEWS: Por qual motivo você acredita que está aumentando o engajamento das postagens? Dados para ilustrar. Por que menores influenciadores estão tendo mais engajamento?

Isabela Ventura: Os influenciadores, além de criarem conteúdo e serem especialistas em um determinado assunto sabem como ninguém estabelecer uma relação de troca com sua comunidade. Esses são os fatores que os tornam relevantes hoje para as estratégias de marketing. O crescimento do engajamento está totalmente atrelado a relevância do conteúdo produzido pelo criador, para as pessoas que os seguem. Outro dado interessante levantado pela Squid, onde ouvimos mais de 3500 pessoas para entender o comportamento do uso das redes sociais nesse momento de isolamento social, 35,2% das pessoas disseram estão interagindo mais com conteúdos de influenciadores. 

Taxa de Engajamento por Tamanho de Base

 

AD: Isso é uma tendência a ser seguida para todo o ano de 2020 e possivelmente 2021?

Isabela: O que estamos vivendo hoje é uma revolução de como conhecemos a publicidade. Digo isso visto que não tem como criar uma peça de comunicação em estúdio, com atores e um backstage imenso. As grandes produções neste momento não fazem sentido algum, visto a necessidade de isolamento. E é aí que os influenciadores ganham ainda mais relevância neste momento.

Os creators, dentro de casa com o seu próprio celular criam e fazem essa disrupção do que conhecíamos como produção de conteúdo. A estética agora não é mais perfeita, com super efeito. São pessoas reais compartilhando o dia a dia, sem maquiagem e grandes produções, criando uma aproximação com seus seguidores a partir da vida real como ela é. Por isso, acredito ser uma tendência que as marcas comecem cada cada vez mais a trabalhar com uma diversidade maior de influenciadores, com uma base menor, porém que geram mais engajamento e conversas. 

AD: Essa taxa de engajamento está sendo maior em menores influenciadores? Qual é sua comparação com grande influenciadores? O número de engajamento deles também cresce neste período?

Isabela: Com as pessoas se protegendo em casa, o aumento no consumo das redes sociais aumentou, com o Instagram e o Youtube liderando esse ranking. Realizamos um levantamento entre os dias 15 e 21 de março, quando comparado com o mesmo período do ano passado, houve um aumento de 24% na taxa de engajamento e 27% no alcance efetivo na ferramenta de stories dentro do Instagram.

Os criadores de conteúdo estão se reinventando, testando e encontrando novas formas de engajar o seu público, apresentar novidades para experimentar em casa, seja um prato novo ou decorar aquele cantinho. Por isso, conseguem conquistar um engajamento alto, mesmo com um número menor de seguidores.

AD: Por que você acha que as hashtags #publi e #ad influenciam nas publicações e no engajamento?

Isabela: É extremamente importante fazer a sinalização de conteúdo pago, para não ferir nenhum regulamento do CONAR, pois toda publicidade segue uma regra e no digital não seria diferente. As pessoas engajam com aquilo que possuem identificação, por isso, quando alguém de confiança, como um creator, apresenta uma novidade, produto ou serviço, a audiência quer saber mais do que se trata, podendo ser até mesmo um potencial cliente. 

 

AD: Os dados apresentados pela Squid, quais dicas você daria para influenciadores que já estão no ramo e para os que estão começando agora? 

Isabela: 

Planejar sempre

Para criar conteúdo com qualidade e que atinja os objetivos desejados, organizar e planejar o que será compartilhado com o público é essencial. O crescimento vem com muita disciplina, organização e esforço. No começo pode ser difícil até pegar o ritmo, mas o planejamento é essencial. Veja calendários, faça enquetes nos Stories, descubra o que a audiência quer saber e procure informações relevantes.

Estudar

Para que todo o planejamento que falamos acima funcione é fundamental muito estudo. Pesquisar sobre com quem você quem conversar e suas principais características. Qual a forma de comunicação que mais traz engajamento? Qual o intervalo de tempo ideal entre as postagens? Existem diversas ferramentas criadas para fornecer exatamente esse tipo de dado. Analisar e confirmar se está seguindo na direção desejada.

Quanto mais informações – qual o assunto, tópicos de interesse, tipo de audiência, características da plataforma – o criador de conteúdo tiver, melhor. 

Cada mídia digital possui suas particularidades. O Instagram, por exemplo, privilegia conteúdo mais imagético do que textual. Então, fotografias caprichadas, com textos curtos, costumam ter maior alcance orgânico. E não se esqueça de pesquisar os melhores horários de postagem para a sua audiência também.

Criação de conteúdo 

Depois de estudar e planejar, chegou a hora de, efetivamente, criar o conteúdo. Procurar por referências e usar a criatividade! Lembre-se: usar algo como modelo é diferente de copiar, então tenha cuidado.

É muito importante que a criação de conteúdo seja feita com atenção e originalidade. Atenção para que não ocorram erros de digitação, por exemplo, que mostram desleixo e podem afastar o público, fazendo-o perder o interesse. E originalidade para que o conteúdo seja criativo e atraente, tanto para a sua audiência, quanto para possíveis parcerias com marcas – cruciais para o trabalho de um influenciador digital. 

É extremamente importante que a variedade de formatos de conteúdo esteja presente na rotina de criação de um influenciador digital. Isso significa utilizar todos os recursos que a rede oferece. Stories, cenas, posts tradicionais, vídeos mais longos, enquetes, destaques fixos, tudo isso é bem visto pelo algoritmo e será um incentivo para que o alcance do perfil cresça. 

Depois de realizar algumas postagens, procurar entender os números que os relatórios, disponibilizados na própria plataforma, trazem. Eles dirão em qual tipo de conteúdo deve investir (pois alcançam mais pessoas ou geram maior engajamento) e qual é melhor deixar de lado. A análise dos dados que os relatórios fornecem é essencial para o próximo planejamento de conteúdo. Não ignore os números! Eles estão ali como um mapa, e vão indicar os pontos bons e ruins do perfil. Utilize os dados disponibilizados para melhorar e crescer sempre. 

AD: Para empresas que fazem publicidade com influenciadores, que forma vocês acreditam ser a melhor para alcançar e engajar melhor os seguidores?

Isabela:  É preciso entender quem são esses clientes, objetivos de comunicação e negócio, e com isso buscar os creators que possuem valores parecidos. Por isso, é preciso entender quem são as pessoas que a audiência confia para falar sobre aquele determinado produto ou serviço. Além disso, a cocriação também se apresenta como uma grande aliada na construção de uma estratégia mais assertiva. A participação do creator na definição das saídas criativas da campanha é uma excelente maneira de entregar para a audiência um conteúdo relevante e que vai realmente gerar engajamento e retorno. 

AD: As marcas estão aumentando sua produção de conteúdo e criando conteúdo com suas próprias marcas, você acha que isso pode causar algum impacto nos publi com influenciadores? 

Isabela: São estratégias complementares e igualmente importantes. Mais do que nunca, as marcas devem buscar gerar valor para a sua comunidade, continuar relevante para seus consumidores e acompanharem as mudanças e um momento de disrupção na forma de se produzir e consumir conteúdo. A produção de conteúdo proprietário é importante, porém o trabalho dos influenciadores também é uma ótima maneira não só para ampliar a visibilidade como para humanizar essa comunicação. Além disso, a dinâmica de trabalho com o influenciador pode ser outra. Por exemplo: ele participando somente da construção da estratégia de comunicação a partir do conhecimento que ele tem  de uma determinada comunidade. Aqui ele age como uma espécie de tradutor cultural. Não necessariamente ele será o garoto propaganda da marca.