7 lições que podemos aprender com a carreira internacional de Anitta

7 lições que podemos aprender com a carreira internacional de Anitta

Saiba como aprender com a cantora lições valiosas do mercado

Artigo de Mariana Munis

No dia 12 de março de 2022, Anitta alcançou um grande marco em sua carreira: a cantora chegou aos 60 milhões de seguidores no Instagram e tornou-se a mulher brasileira mais popular na rede social. Além do mais, a diva pop está listada como segunda mulher mais seguida da América Latina, ficando atrás apenas da cantora Shakira.

7 lições que podemos aprender com a carreira internacional de Anitta

Aproveitando esse marco em sua carreira, a cantora alegou que vai lançar seu novo álbum internacional (à priori se chamaria Girl from Rio, mas que ainda não sabemos o nome), gerando muita curiosidade e ansiedade em seus fãs.

Anitta vai além de uma cantora de funk, cheia de sensualidade e rebolado: após sua consolidação no mercado latino, vem adotando estratégias consistentes de internacionalização para sua marca nos Estados Unidos, as quais têm auxiliado a cantora a bater recorde atrás do outro.

Listo aqui algumas lições de administração e internacionalização que podemos aprender com Anitta, para aplicar em nossos projetos, carreira e empresa.

Lição 1: Planeje qual será seu posicionamento em um novo mercado

Como primeiro passo para conseguir adentrar no mercado estadunidense, a artista comentou, em entrevista ao canal da Maris Raffa, empresária brasileira que atua com marcas e empresários brasileiros nos EUA, que para começar em um mercado novo, foi necessário se reposicionar e atuar como se estivesse começando do zero: em suas músicas para o mercado estadunidense, a artista utiliza batidas mais voltadas ao pop, trap, reggaeton, e recentemente o pop rock,sem deixar o funk carioca de lado.

Porém, seu tom de voz encontra-se mais sereno, menos debochado e a cantora passa uma imagem com maior leveza e, ao mesmo tempo, sofisticação. Isso também ocorre, pois a cantora dedica-se mais ao seu lado artístico e entregou o gerenciamento de sua carreira ao empresário norte-americano Brandon Silverstein (que também cuida da carreira de Normani), pois entendeu que não consegue sozinha abrir algumas portas no mercado estadunidense.

Lição 2: Crie parcerias estratégicas

Nessa primeira fase de internacionalização, Anitta estabeleceu alianças estratégicas com grandes players para conseguir difundir sua marca nos Estados Unidos, sendo a primeira brasileira a aparecer no VMA, por meio de sua parceria como Burger King, além de marcar presença no Met Gala.

Estabeleceu residência em Miami, por ser uma praça estratégica para muitas marcas que iniciam internacionalização no mercado estadunidense, já que consegue assim continuar dialogando muito bem com os brasileiros e latinos que moram por ali (a Flórida possui muitos estrangeiros de origem latina), ter proximidade com o Brasil, muito mais do que se morasse noutros locais dos Estados Unidos, além de estar próxima também de outros polos importantes para internacionalização de sua música (Los Angeles e Nova York).

Lição 3: Entenda sobre as tendências de mercado

Na segunda fase de estratégias de internacionalização, Anitta dá mais um passo e lança seu novo hit Boys Don’t Cry: música produzida por Burns, que já havia entregado Rain on me, de Lady Gaga e Ariana Grande, e clipe dirigido por Christian Breslauer, o mesmo diretor de Industry Baby, do Lil Nas X, Streets, da Doja Cat, e Die for You, do The Weeknd.

Além de alianças estratégicas, o clipe entrega tudo, como empoderamento feminino, influências nostálgicas oitentistas e de clássicos do cinema, como “O quinto elemento”, “Harry Potter”, “Titanic”, Beetlejuice”, “Noiva em Fuga”, “Priscila, a Rainha do Deserto”, entrando mais facilmente no imaginário dos norte-americanos, pois, além de tudo, a música é um pop punk. E por que a artista adotou esse ritmo? Pois desde o surgimento de Olívia Rodrigo, o pop rock voltou a reinar nas paradas de sucesso, principalmente as estadunidenses.

Lição 4: Pensamento de Lean Startup

Uma artista que está começando sua carreira no pop, em terras desconhecidas, precisa agir como uma startup: aproveita as oportunidades e lançar sucessos, conforme as tendências, prototipando, lançando e ajustando, de maneira rápida, tanto que a cantora disse em algumas entrevistas que, depois de ir aos Estados Unidos, regravou várias músicas para seu novo álbum, pois entendeu que tinha agora oportunidades muito melhores e que precisava se adequar mais ao público novo.

Além do mais, a cantora não sabe qual será o nome do seu novo álbum, que se chamaria Girl from Rio, pois as coisas mudam muito rápido (falaremos na sequência sobre o sucesso inesperado de Envolver, que pode mudar a estratégia de lançamento).

Lição 5: Aproveite as mídias sociais para contar boas histórias

No último dia do mês de janeiro, Anitta deu entrevista a um dos talk shows mais famosos dos Estados Unidos, TheTonightShow, do Jimmy Fallow, tornando-se um grande marco na sua carreira. A estratégia adotada lá, para divulgação de seu novo single Boys don’t cry foi abordar assuntos engraçados, que gerassem hype aos estadunidenses: a cantora alegou que estava saindo com um jogador da NFL, e como sabemos, os Estados Unidos amam futebol americano. Resultado: Anitta foi citada em muitos portais de fofoca, estrategicamente conseguindo colocar seu nome nos tabloides, divulgando sua música.

Com o single Envolver, lançado ao mercado latino, a artista conseguiu sua primeira entrada solo no top 100 Global do Spotify. A canção entrou no top 10 da plataforma em diversos países, sendo em 9° no Peru, em 6° na Bolívia e em 10° no Equador.

O sucesso mundial de Envolver veio graças a coreografia do clipe disseminada no Tiktok pelos fãs da cantora e pessoas do mundo inteiro estão fazendo o challenge da música (dançando a “coreô” da música na plataforma). O mais surpreendente é que a canção não era o grande single da diva pop para lançar o novo álbum, tanto que não houve grande estratégia de lançamento do hit da cantora para tamanho sucesso. Não partiu dela e sua equipe difundirem o passinho da música no app, como vários artistas fazem na atualidade. A coreografia fez tanto sucesso que está sendo chamada de “el paso de Anitta”. 

Mais uma lição de Anitta aqui (lição 6): trabalhe bastante e sempre deixe aberta as portas do imponderável, uma hora o reconhecimento vem de onde menos esperamos.
 

Porém, todo clipe e coreografia de Envolver foi pensado pela cantora, ao contrário do clipe de outra música que a diva não gostou, denominada Faking Love, parceria com a cantora Saweetie, pois Anitta não participou ativamente da coreografia e dos elementos visuais do clipe, além dos diversos atrasos que ocorreram no set, por não ser a equipe com quem já estava acostumada a trabalhar.

Logo, Anitta nos dá mais uma lição (lição 7):participe ativamente do lançamento de seus produtos e de sua empresa, pois você conhece como ninguém como cativar seu público.

Aguardamos, assim, ansiosamente, as próximas jogadas de mestre da cantora e quais são as próximas lições que ensinará a nós, administradores.

Mariana Munis é professora de Marketing e Comportamento do Consumidor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas.

Quer saber mais? Não deixe de seguir o ADNEWS nas redes sociais e fique por dentro de tudo!

Post anterior
Lacta e Burger King se unem para celebrar a Páscoa

Lacta e Burger King se unem para celebrar a Páscoa

Próximo post
Colormaq e Braskem lançam primeiro eletrodoméstico feito de plástico pós-consumo

Colormaq e Braskem lançam primeiro eletrodoméstico feito de plástico pós-consumo

Posts Relacionados