Skip to main content
Eliane Munhoz

Eliane Munhoz, criadora do Blog de Hollywood, trabalhou em estúdios produtores de conteúdo como Sony, Paramount e Warner. Além do Blog, onde você fica sabendo tudo sobre os últimos lançamentos do cinema, séries de TV e streaming, premiações e red carpets, possui um quadro sobre o assunto na Manhã do Ronnie na Rede TV, e apresenta o Markket Cine no Canal Markket.

Bridgerton é uma delícia. Gosto muito das duas primeiras temporadas. A primeira tem cenas bem quentes, a segunda é mais sensual, com um jogo de sedução sensacional. A terceira temporada é romântica. Pelo menos essa primeira parte que estreou hoje (16). São 4 episódios – os demais estrearão só em junho. A série foca na história de Penelope e Colin –  e foi melhor do que eu esperava.

Penelope finalmente desistiu de sua paixão de longa data por Colin depois de ouvir seus comentários depreciativos sobre ela na última temporada. Ela decidiu, no entanto, que é hora de arranjar um marido, de preferência um que lhe ofereça independência suficiente para seguir sua vida longe de sua mãe e irmãs.

Mas, por falta de confiança, as tentativas de Penelope no mercado matrimonial fracassam de forma espetacular. Enquanto isso, Colin retorna de suas viagens de verão com um novo visual e um sério senso de arrogância. Entretanto ele está determinado a reconquistar sua amizade, e por isso se oferece para ser o mentor de Penelope, para ajudá-la a encontrar um marido. Mas quando suas lições começam a funcionar muito bem, Colin tem que questionar se seus sentimentos por Penelope são realmente apenas de amizade.

E o que mais?

Essa primeira parte ainda mostra  a história de Francesca Bridgerton. Note que mudaram a atriz que faz a personagem. Nas duas primeiras temporadas, a personagem foi interpretada por Ruby Stokes. A partir de agora, Hannah Dodd (belíssima) assumiu o papel. Ela está sendo apresentada à sociedade, e é o diamante da rainha Charlotte da temporada. Mas ela tem sua visão muito própria de toda esse momento de sua vida. E Lady Bridgerton como sempre, mostra que enxerga tudo com seus olhares para os filhos (adoro o trabalho de Ruth Gemmell).

Há ainda a história de Eloise. Ela não consegue superar o fato de que Penelope é Lady Whistledown, e começa uma amizade com Cressida, que tem uma oportunidade de demonstrar que não é uma garota totalmente  fútil  como se imaginava. Aliás, essa temporada dá mais atenção para vários personagens secundários. Provavelmente isso é resultado do trabalho da nova showrunner, Jesse Brownell. Mas é claro que o foco fica na história de Penelope e Colin. E uma coisa muito interessante é que o roteiro trabalha de maneira muito satisfatória a transformação da amizade dos dois em paixão.

Sempre achei que Luke Newton era muito fraquinho como Colin, entretanto é admirável sua atuação nessa temporada. É fascinante acompanhar como ele muda, após um beijo, que faz com que ele desenvolva uma fixação pelos lábios dela. É quando cresce a química entre os dois, trocas de olhares, que vai explodir na sensacional sequência da carruagem no quarto episódio. Uma cena que nos deixa enlouquecidos para esperar pelos episódios que restam, e que só vão chegar no dia 13/06. Mal posso esperar!


Eliane Munhoz

Para saber mais sobre filmes e séries, acesse blogdehollywood.com.br

* Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do veículo

 

Acompanhe o Adnews no Instagram e LinkedIn. #WhereTransformationHappens