Como a Geração Z está viciada em criptomoedas e NFTs

Como a Geração Z está viciada em criptomoedas e NFTs

A tentação de ganhar dinheiro rápido sempre atraiu os jovens a investir em ativos de risco; para a Geração Z, é a volatilidade

“Todos os meus amigos estavam falando sobre [criptomoeda], então um dia decidi por que não entrar e ver se posso ganhar algum dinheiro”, diz Paxton See Tow, de 20 anos. Tudo o que ele precisava era de seu telefone e negociar milhares de dólares em ativos estava a apenas um clique de distância. A Geração Z – também conhecida como Zoomers – é a faixa etária nascida entre meados dos anos 1990 e início dos anos 2000.

Eles cresceram online, jogando e encontrando amigos virtualmente, então a transição é natural. As criptomoedas são moedas digitais, enquanto um “token não fungível” (NFT) é uma maneira de possuir uma imagem digital original, apresentada como a resposta digital para colecionáveis.

Há pouco mais de um ano, Paxton comprou $1.000 em Bitcoin – uma das criptomoedas mais populares – o que lhe deu um lucro de 10% imediatamente. Ele decidiu quadruplicar seu portfólio. Mas então o preço caiu.

“Sempre existe o ditado ‘compre na baixa, venda na alta’, mas eu fiz o oposto. Deixei minhas emoções tomarem conta de mim”, diz. Ele havia perdido mil dólares, além de todo o dinheiro que havia investido, antes que pudesse sacar seu dinheiro e refazer a estratégia.

Para outro trader mais velho, Kelvin Kong, a perda foi muito maior. Depois de faturar seis dígitos em 2017, ele perdeu mais de meio milhão de dólares no ano seguinte.

Como a Geração Z está viciada em criptomoedas e NFTs

“Achei que era o rei das negociações e minha cabeça ficou muito grande, então pensei que nada poderia me derrubar e continuei comprando”, diz ele. No final, ele tinha apenas algumas centenas de dólares em sua conta bancária.

“Acho que quase entrei em depressão. Tive pensamentos suicidas.” O boom do comércio de criptomoedas e NFTs entre os jovens o preocupa. “Muitos deles vão perder dinheiro no final do dia”, acrescenta.

Gamificação de negociação

Mas as histórias de pessoas que perdem grandes quantias de dinheiro não parecem deter os jovens comerciantes. Para muitos, o primeiro gosto dos ativos digitais é por meio de “jogos de jogar para ganhar”, que recompensam os jogadores com NFTs e criptomoedas que podem ser usadas dentro do próprio jogo ou negociadas por dinheiro.

“Todo garoto quer ganhar dinheiro jogando”, diz um comerciante de 23 anos da Malásia que atende pelo nome de YellowPanther. “Esse é o sonho da minha geração.” Um mês depois de começar a negociar NFTs em agosto passado, ele decidiu deixar seu emprego como executivo de marketing para negociá-los em tempo integral.

“O trabalho diário levava muito tempo – oito a nove horas por dia – e o salário era bastante baixo. Vi uma grande oportunidade no espaço [NFT] e dei um salto de fé”, diz ele. A YellowPanther agora trabalha com Resh Chandran, de 29 anos, que oferece treinamento em ações convencionais, criptomoedas e negociação NFT em Cingapura.

Usando o Axie Infinity, um dos mais populares “jogos para ganhar”, Chandran apresenta aos investidores principalmente jogadores filipinos que jogam em seu nome por uma taxa. Mas ele alerta que o espaço é um “oeste selvagem”. A pandemia apenas acelerou essa tendência crescente de jovens negociando criptomoedas e NFTs.

“Havia um nível extremo de volatilidade no mercado, então, quando você tem volatilidade, você também tem oportunidades no mercado”, diz Lily Fang, professora de finanças da escola de negócios INSEAD. “Os jovens estavam em casa e é quase uma gamificação da negociação. Todos esses fatores criaram uma condição perfeita para que isso decolasse.”

Influencers financeiros

Para muitos jovens traders, o conselho está prontamente disponível em plataformas como YouTube, Twitter e Reddit. Brian Jung, 23, possui um milhão de seguidores no YouTube, mas comparado a outros influenciadores de criptomoedas, ele é conhecido por falar com mais cautela sobre os riscos.

“Eu realmente tenho que ter cuidado com o que digo ao meu público, porque a última coisa que quero é que as pessoas se machuquem com esses tipos de vídeos”, disse ele à BBC.

A família de Brian emigrou da Coreia do Sul para os Estados Unidos e ele acredita que seu passado afeta a forma como ele investe e fala sobre dinheiro.

“Nossa família sempre lutou financeiramente, então eu sempre tenho essa mentalidade frugal”, diz ele. “Minha mãe ainda trabalha nos correios dos EUA e meu pai trabalha em um armazém, então eu sei que uma hora do tempo deles ainda é equivalente ao valor em dólares. Eu vejo o que isso vale, independentemente da renda que estou obtendo agora.”

Ganhar liberdade financeira também foi o que atraiu Jowella Lim, de 22 anos – uma rara trader – para o mundo das criptomoedas. Mas, além das oportunidades de ganhar dinheiro, Jowella gosta de estar na vanguarda dessa nova tecnologia.

Como a Geração Z está viciada em criptomoedas e NFTs

Vício ou paixão da Geração Z?

Além das perdas financeiras, outro grande perigo é o vício. “O mercado de criptomoedas nunca dorme, então as pessoas literalmente são sugadas para ele”, diz Chandran.

Andy Leach, da clínica de vícios Visions by Promises em Cingapura, diz que viu um salto nos clientes jovens – particularmente do sexo masculino – ficando viciados na emoção de negociar criptomoedas e NFTs.

“Você tem a capacidade de assistir o Bitcoin subindo e descendo e basicamente esse processo, essa montanha-russa, os altos e baixos, está disponível no seu telefone 24 horas por dia, 7 dias por semana”, diz ele.

Apesar de perder dinheiro no mercado de criptomoedas no passado, Paxton e Kelvin voltaram a negociar depois de estudá-lo mais de perto. Perguntei a Kelvin se ele acha que pode ser viciado. “Você pode colocar dessa forma”, ele sorri. “Mas eu chamaria isso de paixão.”

Matéria traduzida de BBC – Mariko Oi.

Post anterior
Americanas Mercado lança campanha ‘Todo dia é dia de mercado’

Americanas Mercado lança campanha ‘Todo dia é dia de mercado’ 

Próximo post
Final do Free Fire World Series (FFWS) acontece neste sábado (21)

Final do Free Fire World Series (FFWS) acontece neste sábado (21)

Posts Relacionados