e-commerce crescimento

E-commerce cresce 41% em 2020; projeção para 2021 é de salto de 26%

Principalmente devido à pandemia, o e-commerce cresceu 41% em 2020. Enquanto a projeção para 2021 é de um aumento de 26%. Saiba mais

O comércio eletrônico não para de crescer! Segundo dados do estudo Webshoppers (Ebit/Nielsen & Bexs Banco), o faturamento do e-commerce (compra e venda de produtos pela internet) cresceu 41% em 2020, somando mais de 194 milhões de pedidos feitos por consumidores brasileiros no último ano. O levantamento ainda ressalta que essa foi a maior alta percentual desde 2007.

Dentre os varejistas em destaque, lojas de departamento, como Americanas e Magazine Luiza, concentraram 84,3% das compras online em 2020. Já as redes de artigos esportivos, que foram o segundo segmento mais popular, geraram 2,8% do faturamento.

Foto: Reprodução/Pixabay

Mercado de enxoval tem grande alta e é destaque

A pandemia foi um grande desafio para as gestantes que precisavam montar o enxoval, mas não podiam sair de casa. O comércio eletrônico foi a solução para as grávidas realizarem suas compras com segurança e de forma muito prática. 

Neste segmento de enxoval e decoração para quartos de bebês, a empresa Grão de Gente se destacou no mercado e viu suas vendas darem um grande salto nos meses de abril, maio e junho de 2020. A marca registrou um crescimento de 300% em relação ao mesmo período do ano anterior. 

Foto: Reprodução/Pixabay

Projeção do e-commerce para 2021

O comércio eletrônico segue em alta no Brasil. Segundo a projeção da E-bit | Nielsen, o crescimento previsto para o e-commerce brasileiro neste ano é de 26%, alcançando um faturamento de R$110 bilhões. De acordo com o levantamento, estima-se um aumento de 16% no número de pedidos e de 9% no valor médio das vendas. Fatores como o fortalecimento dos marketplaces, a consolidação dos e-commerces locais e a maturidade logística para agilizar a entrega em busca da eficiência operacional irão contribuir para a expansão das compras on-line. 

Por Fabiano de Abreu 

Total
3
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Post anterior
Peppery anuncia novidades na criação

Peppery anuncia novidades na criação

Próximo post
Estudo Oxford saúde mental jovens tecnologia redes sociais

Estudo de Oxford não liga problemas de saúde mental à tecnologia

Posts Relacionados