A Smollan iTrade, operação brasileira da gigante internacional de soluções para o varejo que emprega 80 mil funcionários em 60 países e representa 70% das 10 maiores empresas de bens de consumo (FCMG) globalmente no ponto de venda, agilizou seu processo de transformação digital durante a pandemia e acaba de se tornar a primeira agência brasileira de trade marketing a oferecer para as marcas uma plataforma de atendimento virtual e remoto com operação totalmente dirigida à assistência em diferentes etapas da disciplina, como venda, pós-venda e suporte aos times internos e externos.

Por meio da solução que foi pilotada em diferentes regiões nas quais a Smollan opera, incluindo o Brasil, é possível acelerar a velocidade das vendas e contribuir com os objetivos de performance das organizações no momento em que o digital acabou por ser a principal forma de atingir os mercados e, como consequência, os consumidores.

O serviço que pensa e atua 100% em conformidade com a realidade digital é voltado a proporcionar uma experiência humanizada entre marcas, produtos e consumidores com o foco em conversões de venda imediatas e de forma amigável.

“A discussão sobre a necessidade de integrar o físico e o digital não era novidade até março de 2020, mas ao longo dos últimos sete meses tornou-se o maior desafio de quem opera no segmento do consumo. Com o advento da pandemia e a restrição total do varejo especializado, 100% das categorias denominadas bens duráveis, como linha branca, tecnologia, eletro portáteis, áudio&vídeo, beleza, entre outras que tinham como parte da estratégia a experiência em loja física para demonstração dos seus produtos tiveram totalmente restringida a presença de seus especialistas e promotores nas lojas de varejo. E isso trouxe um problema: o que fazer com essas pessoas que se viram do dia para a noite sendo impossibilitados de executar suas tarefas?”, explica Stenio Souza, CEO da Smollan iTrade.

Essa foi a motivação do comitê internacional de Growth&Innovation que trata o tema digital como prioridade no desenvolvimento de novas iniciativas e que levou em consideração o fato de que não bastava apenas munir esses profissionais de acessórios como computador e celular e colocá-los em home office para vender. Foi preciso visitar todo o know-how aprendido em campo e fazer disso o ponto de partida para um processo de transformação enfocando as particularidades do novo ambiente de trabalho e da comunicação. Isso passou por entender as novas premissas de todo o trabalho de trade: processos, pessoas, ferramentas, controle e gestão, só que agora planejando e executando 100% dentro do ambiente digital.

Na prática as mudanças refletem desde o processo de seleção dos profissionais, passando pelo foco do treinamento, chegando até os métodos de trabalho, processos, as metas e os indicadores de sucesso. “Em todo o mundo ficou muito claro que se tornou prioritário oferecer aos clientes um modelo de operação em que eles possam contar com uma operação digital de trade marketing com a possibilidade de configurar os projetos de maneira eficiente e permanente já que possivelmente os novos hábitos de consumo e de comportamento permanecerão depois que o cenário de isolamento terminar. E, então, chegamos em uma proposta que atende essa urgência de posicionamento e atuação no ponto de venda online com ou sem pandemia”, completa o executivo.

Para adequar a realidade transacional fria e dura do e-commerce para esse ambiente de relações humanas entre marcas e consumidores dentro da jornada de compra do universo digital foi preciso não apenas agilidade como também reforçar o perfil da equipe gestora e agregar profissionais com experiência suficiente para entender o contexto e aproximar a solução para as indústrias independente do mercado de atuação.

Um exemplo disso foi a chegada de Rosangela Costa à Smollan iTrade. Vinda do segmento de call center, a nova Coordenadora DeX (Digital Experience) contribuiu com seu olhar para incorporar as boas práticas de customerexperience à realidade do trade marketing e do atendimento remoto de forma a entregar ações customizáveis e que atinjam o público com eficiência.

E, além da funcionalidade que a plataforma traz para as marcas, ela torna-se também uma opção de empregabilidade para a sociedade em geral. “A necessidade ainda maior de recrutar pessoas que tenham diferentes perfis para se conectar com a audiência das empresas que é completamente heterogênea abre possibilidade para que pessoas sem experiência, mas com potencial de comunicação, possam iniciar uma carreira. E isso vale também para indivíduos que busquem posições que demandem menos do que as oito horas diárias de trabalho. O formato pode ser uma possibilidade, por exemplo, para a dona de casa que precisa cuidar dos filhos e tem meio período livre para desempenhar essa tarefa e realizar a venda assistida. E tudo isso completa um dos nossos valores que é a diversidade em campo”, pontua Stenio Souza.

Matéria publicada no Portal da Revista Live Marketing. Se quiser mais informações sobre o mundo do Live Marketing acesse: https://www.revistalivemarketing.com.br/