As redes sociais viraram refúgios para este isolamento duradouro e entediante, são horas e horas alternando entre as redes sociais e diferentes perfis de humor e entretenimento. Na realidade, hoje em dia, os memes com certeza são a solução para tudo! Murilo Henare é um dos responsáveis por todos esses conteúdos que melhoram o nosso dia-a-dia dentro de casa. Com apenas 24 anos, o jovem empreendedor é o líder de um grande projeto na agência Mynd, agência especializada em marketing de influência.

A Banca Digital gerencia 25 páginas para vendas de publicidade para as marcas, ou aquelas #ads que sempre aparecem disfarçadas nos conteúdos engraçados e muito mais fáceis de viralizar. O projeto já rendeu trabalhos com mais de 50 grandes marcas, como Seara, Americanas, Vigor, Trident e Ambev. As expectativas foram ultrapassadas com todas as respostas às páginas, foram mais de 100 milhões de seguidores, alcance em 300% em relação à média do mercado, garantindo resultados excelentes para as marcas envolvidas.

Nós conversamos com Murilo Henare, que nos contou um pouco mais de como foi a sua trajetória e em qual momento ele decidiu apostar no empreendedorismo digital. Como as páginas iniciasi fizeram com que Murilo entendesse e ampliasse suas contas nas redes sociais e que tivesse um bom feeling para o que realmente era relevante. Além de relembrar o grande momento de sua carreira quando virou sócio de Fátima Pissara, CEO da agência Mynd. Confira agora a entrevista:

 

ADNEWS – Murilo, a partir de qual momento você decidiu entrar no mercado de administração de páginas nas redes sociais? No começo, como funcionava em sua cabeça a venda de publicidade nas páginas?
Murilo Henare: Já faz 12 anos que eu crio conteúdo para internet, tenho página de entretenimento, e eu sempre as administrei sozinho. Criava e comercializava tudo sozinho e nesse tempo eu também sempre fui muito bem relacionado com os outros creators, os outros donos de páginas, e sempre que chegava algum contrato comercial até a mim já era automático eu vender meus amigos, queria que estivessem no job comigo. Eu já tinha essa noção de que eles não eram meus concorrentes, eles eram meus parceiros. Eu ia pegar a campanha do cliente que era de um tamanho x e transformar para um tamanho y, não só com o meu engajamento, mas de todas somadas. E foi assim que começou até de fato termos um contrato sobre agenciamento… demorou uns 6 anos, fiquei muito tempo fazendo isso na amizade.

 

AD – Como você formulou toda a sua estratégia e expertise para impressionar a agência Mynd?
Henare:
Quando eu apresentei a ideia para a Mynd, para a Fátima Pissarra, eu já tinha uma base porque eu já fazia a Banca sozinho. Falei: eu já faço isso e dá super certo, só que eu sei que no meio comercial, no meio empresarial, estamos muito para trás e queremos nos unir a uma grande agência com grandes nomes para abraçar grandes projetos. E foi unir o útil ao agradável, porque como a Mynd está sempre sondando projetos de inovação, foi o match perfeito.

 

AD – Qual era a sua expectativa com o projeto Banca Digital? O que ainda falta para você, Murilo?
Henare: As minhas expectativas sempre foram muito altas. Depois da minha primeira troca com a Fátima, obviamente elas dobraram, porque ela teve e tem uma visão bem a frente do que eu já esperava. Desde o início, eu sempre fui contemplado com esse sentimento de superar expectativas. E ainda hoje eu costumo falar para todos os clientes que apresento o projeto da Banca, que toda nova pessoa que escuta a ideia e o processo de como funciona sempre da uma nova ideia de como a gente pode fazer dentro do projeto. Então isso é muito legal. Todo dia a gente se descobre e se redescobre ali dentro da Mynd e acho que isso é o que mais motiva a estarmos focados em fazer o projeto acontecer. A gente sabe que descobrimos 5% do que a Banca é capaz de fazer.

 

AD – Logo no único, ainda garoto, qual era a sua estratégia para fazer com que o público entendesse e curtisse seu conteúdo?
Henare: Eu sempre fui conhecido por ser muito engraçado e extrovertido, e eu tinha um timing para piada muito rápido. Bem no início, lá no Orkut, 12 anos atrás, eu já compartilhava memes e eu compartilhava memes com uma legenda mais engraçada do que a do próprio post. As outras pessoas compartilhavam o meu compartilhamento. E era muito engraçado. Eu consegui enxergar ali que eu já tinha feeling para piada. Quando eu comecei a criar conteúdo e a postar nas minhas páginas eu tinha um feedback muito rápido de compartilhamento da galera que era próxima e tinha aquele efeito bola de neve: seu amigo compartilha o seu, o amigo dele o dele… e quando você vê já tinha viralizado. Hoje, obviamente eu me considero um ótimo creator de memes e conteúdos virais; eu tenho um ótimo feeling para criar conteúdo, mas no começo foi na raça mesmo que eu aprendi. Já postei muito conteúdo ruim, já floppei muito – assim que a gente chama quando você posta algo e não viraliza – então já precisei flopar muito para entender o que hoje rende e funciona, como comunica melhor, enfim, como a gente consegue gerar mais conversão, viralizar mais conteúdo.

 

AD – Em contas com conteúdos engraçados e de rápida viralização, como um administrador deve pensar em escolher um público-alvo ou um grupo específico?
Henare: Tudo é timing né? Ainda mais hoje que já existem muitas páginas muito grandes, de memes, de entretenimento, a dica para novos creators e até pessoas que tem um número legal de seguidores, mas querem conquistar mais é sempre o timing. Quando mais rápido você postar antes das outras páginas – o viral é isso, quando posta e a outra página viu que rendeu, ela reposta e vira a bola de neve até que todas tenham postado o mesmo vídeo. E obviamente as que rendem mais, que tem mais view e likes, são as que postaram primeiro. Então a dica é essa, sobre timing. Tem que estar muito atento a tudo que está acontecendo na Internet, em olhar os melhores grupos e páginas de conteúdo para fazer essa curadoria diária. De fato, é um trabalho diário, a gente dorme e acorda pensando em novos conteúdos para engajar o publico e fazer rodar o engajamento semanal.

 

AD – Entre Instagram, Facebook e Twitter, para o Murilo antes da Banca Digital, quais redes trouxeram melhores experiências?
Henare: Bom, entre Instagram, Facebook e Twitter, antes da Banca Digital para mim o que trouxe a melhor experiência foi o Twitter, foi uma rede que a gente conseguiu no primeiro boom obter uma troca muito legal. A gente não rentabilizava dinheiro na época, mas foi onde de fato começamos e aprendemos a viralizar conteúdo e a ter esse timing do rápido. Twitter é isso: instantâneo e sem dúvida até hoje é a rede que gera conteúdo para outras redes. O Instagram para mim hoje é tudo, porque é a base de todo projeto que tocamos hoje, mas o Twitter é essencial.

 

AD – Qual é a sua função e qual é a expectativa das marcas quando elas procuram seu trabalho?
Henare: Hoje, além de líder do projeto Banca Digital eu também presto consultoria para alguns empresários de estratégia de marketing, crio projetos personalizados de marketing que já eram meus clientes antigos e para muitos outros que chegaram recentemente ao conhecer a Banca. Também tenho projetos que eu vendo não só dentro da Mynd, mas para outras agências também. Eu tenho trabalhado em um modelo de larga escala que tem sido bem legal.

Hoje, como a gente vê o projeto Banca como uma grande família, somos 25 pessoas que somamos juntos mais de 100 milhões de seguidores. Todo novo projeto para criação ou brainstorm, nossa equipe tem um brainstorm e a gente joga a ideia do cliente ali e desenvolvemos novas ideias e conceitos para devolver para o cliente. E é muito legal essa troca porque temos fechado 90% dos Jobs que entram nesse processo de co-criação com a galera. Então, de fato o que mais me orgulha hoje é primeiramente o sucesso do projeto porque a gente vê um projeto que a gente vive fulltime, vendo acontecer e dar certo e em segundo é essa troca em família que temos, de conseguir criar projetos incríveis e conseguir mostrar isso para grandes clientes. Criamos um business, geramos um novo emprego. E o que me deixa muito feliz é receber muitas mensagens falando que se inspiram na nossa história, pessoas que estão começando revistas virtuais agora, mas é legal saber que além de criar esse business, estamos inspirando pessoas a fazer o mesmo e entrar para esse negócio digital que está dando tão certo.

Acho que a expectativa de quem nos procura é inovação. As pessoas querem testar algo novo, tudo que a internet e Google AdSense as pessoas já conhecem e já testaram, e sempre estão buscando novas formas de fazer converter mais, de fazer mais rápido e mais orgânica. A Banca é um produto único no mercado.

 

AD – Você tem bons cases para nos contar?
Henare: Eu acredito que os cases mais legais, que mais foram marcantes para a Banca, foram os do BBB, as ativações real time que a gente fez com as marcas no programa foi surreal, eles ativavam ao vivo no programa a noite, e a gente gravava tudo aquilo, criava conteúdo real time, aprovava com o cliente, soltava na mesma hora, então, sem dúvida, foi um case de muito sucesso. Outro que eu acho legal também com tudo isso que temos passado agora e com o novo formato de lives a gente tem ativado de 10 lives umas 8 ou 9 e é muito legal porque a Banca pode participar de uma maneira positiva em toda essa mudança, precisamos nos adaptar para esse momento de pandemia. O meio digital por si só cresceu muito e parece que a Banca estava no lugar certo e no momento certo ajudando as marcas e os parceiros da Mynd a inovar no mercado. Como tudo isso pegou empresários e todas as pessoas de surpresa a inovação teve que vir rápido e com força – que bom que conseguimos participar ali de uma maneira tão positiva.