A pandemia afetou a vida de todo mundo, inclusive no âmbito profissional. Alterou diretamente o regime trabalhista de milhares de pessoas, que deixaram de bater ponto nas empresas, todos os dias, e passaram a trabalhar em casa: é o tão falado home-office.

Sabemos que adaptar-se à nova rotina não é tarefa fácil. É preciso muita criatividade para se reinventar nesse momento. Para ajudar quem está encarando esse novo momento, conversamos com colaboradores de grandes agências de comunicação. Usando a inteligência, jogo de cintura, planejamento e improviso como os maiores aliados, eles nos deram algumas dicas de como enfrentar tudo isso sem surtar. Confira as sugestões dessa galera:

 

Agência F.biz

Juliana Passini Home Office

“O tão sonhado home-office, parecia tão simples e legal né? Virou obrigatório e tirou todo mundo do eixo. Tirou todo mundo da zona de conforto e eu achei o máximo. Difícil mesmo é ele estar associado ao ‘home-schooling’, ‘home-cooking’, ‘home-care’, entre outros tantos ‘home skills’. Para isso, acho que ninguém estava preparado.”, essa é a opinião da Juliana Passini, diretora de atendimento da F.biz.

Juliana descobriu que tem um poder de absorção muito maior do que imaginava. Ela nos contou sobre a importância de manter a família ciente do seu trabalho. “Fiz com que meus filhos entendessem e vissem que a mamãe não os deixa na escola para ficar em casa. E sim para trabalhar, trabalhar de verdade. Aqui jaz a culpa daquela mãe que deixava as crianças na escola com o coração apertado. O home-office é factível e funciona muito bem em toda a hierarquia (o que aprendemos à força). Ainda estamos entendendo e aceitando essa grande transformação juntos.”, comenta Juliana.

 

RPMA Comunicação

Para Jackson Moura, Gerente de Comunicação Digital na RPMA Comunicação, o processo não foi tão árduo pois ele já estava habituado a fazer home-office em experiências anteriores. “Variavam de algumas vezes no mês, até empregos em que a prática era quase fulltime. Isso me fez dedicar um tempo a organizar minha casa para que ficasse o mais agradável possível. Com um destaque para minhas plantas, um hobby que cultivo há algum tempo.”, explica.

No entanto, Jackson acrescenta que a situação agora é diferente. “A experiência com essa quarentena vai muito além do que estava acostumado: estamos isolados dos amigos, família, colegas… e estamos sob uma tensão constante por conta da pandemia.” Para isso ele organizou uma rotina para o trabalho. “Acordo cedo, com tempo para deixar a casa organizada, já que estamos sem faxineira e tenho 3 gatos em casa. A faxina tem que ser feita ao menos a cada 2 dias. Tomo banho e me arrumo para o trabalho me reservando ao direto de uma vestimenta mais casual. Dessa forma, as camisas deram lugar às camisetas. Mas nada de trabalhar de pijama ou chinelo. Isso nunca! Defino um horário de almoço, por mais complicado que seja, diante de tantas calls que temos ao longo do dia. Também planejo um horário para finalização do expediente e início do período de relaxamento.”, dá a receita Jackson.

Ele também apostou nos exercícios para diminuir o estresse e fadiga. “Para mim, o que funciona é fazer yoga assim que paro de trabalhar, todos os dias, pois essa ação marca o fim do expediente e me deixa relaxado para aproveitar o resto do dia. Trabalhando de casa fica complicado separar essas coisas, e isso é importante.”

Home Office

Sobre o ambiente de trabalho, Jackson diz que escolheu a sala por ser o lugar onde está tudo o que ele mais gosta. “Meus discos, meus livros e minhas plantas. E também meus gatos que estão sempre por perto.” Ele diz que cuidar da casa é essencial para que ela seja o mais aconchegante possível. “É nosso refúgio, onde nos sentimos bem.” Para o gerente de comunicação da RPMA, ao finalizar o expediente, o ritual deve ser o de mudar de ambiente e se desligar, ao máximo possível, do trabalho.

Também da RPMA, Paula Carone, Gerente de Comunicação, diz ser importante um espaço de trabalho aconchegante. “Por isso, montei um ‘mini escritório’ no quarto, que é o local onde há menos barulho e interferência na minha casa. Coloquei elementos que já eram presentes na mesa da agência, como porta-canetas, uma garrafa de água e fotos. Além disso, sempre acendo uma vela aromática ou ligo meu aromatizador de ambientes com uma essência diferente. Acho que deixa o ambiente mais gostoso.”, relata.

Para a Paula, o exercício físico também está sendo um aliado. “Busquei alguns canais de ginástica laboral e tento fazer, pelo menos, 2 vezes ao dia. Os exercícios têm ajudado nas dores nas costas e na prevenção das crises de tendinite.”

Agência Bullet

Moara Barreira, de planejamento da Bullet, diz que é essencial lembrar do bem-estar e dá a dica: “Respeite o corpo, alongue e beba bastante água. [São] Cuidados que me ajudam a manter meu corpo pronto para uma nova jornada.” Além disso Moara fala da importância de manter os vínculos. “É importante manter contato com os amigos, colegas e tentar reforçar a rotina que já tínhamos presencialmente, de modo a não nos desgastarmos tão completamente”.

 

Ainda sobre bem-estar, o Mario Casanova, head de planejamento da Bullet, diz que uma dica são os “pit-stops” a cada duas horas para andar um pouco, beber água e comer algo.”

Agência Africa

Ganhar mais tempo com a família é de fato uma das vantagens do home-office. Mas conciliar família e trabalho não é tão fácil assim. Foi o que o Érico Braga, Diretor de Criação da Africa, percebeu nesse período de isolamento. “Home-office com crianças pequenas é um grande desafio. No início, aqui em casa foi muito conturbado. Eu e minha esposa estávamos trabalhando muito e as crianças, que não estavam acostumadas a ter os pais em casa o dia todo, demandavam muita atenção e queriam brincar o tempo todo.”, nos conta Érico.

A solução para esse problema ele buscou no planejamento, diálogo e organização. “Depois de muita conversa e muito planejamento, chegamos a um equilíbrio. Divido os horários com a minha esposa. Nos organizamos entre trabalho e quem fica com as crianças para cuidar delas e também aproveitar para brincar o máximo possível. A brincadeira tem ajudado a gente a passar pela quarentena e também se tornou uma fonte de inspiração para mim.”, complementa o gerente de comunicação da Africa.

 

Agência BECT/HAVAS

 

Realmente, mães e pais estão tendo o dobro de atividades nessa quarentena, com o trabalho e as crianças em casa. Andrea Siqueira, diretora executiva de criação da BETC/Havas, é uma das que estão passando por isso. “Um grande desafio para mães e pais, nesse período, é conciliar home-office com home-schooling. Minha filha de 8 anos usa o meu computador e a mesma ferramenta, Teams, para entrar nas aulas da escola. Então, às vezes, entro sem querer na sala de aula em vez de entrar numa reunião com cliente. A casa de cada um é um espaço criativo por si só. Tem história, vida, o cheiro de cada um. Se na agência personalizamos nosso cantinho com fotos e peças de Toy Art, a nossa casa é um desses cantinhos, só que em grande escala. A pandemia forçou o aumento da empatia tão pouco valorizada em tempos individualistas de selfies. Torço para que isso perdure”, relata e reflete a diretora executiva.

Todos tiveram que se readaptar e criar novas rotinas. A casa virou ambiente de trabalho, escola, campo de futebol, pista de skate até estúdio de artes, mas todos conseguiram arranjar um jeito de mesclar tudo com criatividade e transformar esse novo normal em algo mais produtivo. E você, como usou sua criatividade em seu home-office?