Buzzfeed: “Queremos sempre deixar o conteúdo o menos publicitário possível”

Pensar conteúdo para marcas pode ser uma tarefa inglória se os times envolvidos não conhecerem o seu público. Estar conectado com seus seguidores é essencial e poucos canais recentes têm tanta sinergia com quem mora na internet brasileira como o Buzzfeed. Inaugurada em Nova York em 2006 por Jonah Peretti como uma plataforma de virais, a empresa cresceu mundialmente e chegou ao Brasil no ano de 2014.

Traduzido inicialmente por estudantes voluntários do Duolingo, o site em apenas três anos cresceu de maneira vertiginosa e expande cada vez mais suas equipes. Com investimento em produção de conteúdo que ignora banners e se alicerça em vida, emoção e notícias para criar formatos criativos, seus times apostam em insights que tragam a cara de seu leitores nas ações das marcas.

Desta forma, ele se especializa na criação de seções que têm a pegada do Buzzfeed para aproximar empresas de seus visitantes como, por exemplo, no teste “11 fotos de gatos que traduzem perfeitamente sua relação com dinheiro”. Criado pelo Itaú há um ano, a brincadeira gerou diversos comentários positivos e fez com que outras empresas abrissem os olhos para o vertical no país.


https://www.buzzfeed.com/itau/fotos-de-gatos-que-traduzem-perfeitamente-sua-relacao-com?utm_term=.sd2328KVM#.lrzMWK0Ar

Com a criação de testes para marcas, parcerias e formatos exclusivos, o Buzzfeed se consolidou como produtor de material publicitário aumentou seu leque com o Tasty Demais, canal estreado em 2016 no Facebook para ensinar e compartilhar receitas simples. Tendo 17 milhões de usuários, a fanpage começou no mês de julho a realizar projetos de branded e lançou em parceria com a Pepery 17 formas de usar o brasileiríssimo açaí da Frooty em pratos rápidos e gostosos.

Deste modo, o veículo especializado em entender o clima que o rodeia se expande sem perder sua identidade e a afinada leitura das tendências dos grandes centros brasileiros, como é possível perceber nesta ação da Natura que ensina a se maquiar com uma drag queen:


https://www.buzzfeed.com/naturabr/aprendi-a-me-maquiar-com-uma-drag-queen-e-as-minhas?b=1&utm_term=.yudW5RE2e#.fr1R2nawA

Para entender melhor o processo de criação do Buzzfeed, a valorização do humor nas publicações e a importância do contexto, conversamos com Gabriel Silva Matos, que trabalha na área criativa do grupo.

Como funciona essa estrutura do Buzzfeed para produzir conteúdo para as marcas?

Assim como temos uma equipe focada para conteúdo editorial, temos um time no BuzzFeed especializado em conteúdos para as marcas. Desde a concepção da ideia até o pós com análise dos dados obtidos.

A leveza do humor é propicia para a inserção de marcas?

Com certeza. Nós sabemos que a internet brasileira é movida por esse sentimento -que nada mais é do que um reflexo do próprio brasileiro- e assim sendo, conseguimos colocar a marca nesse contexto contribuindo para a construção ou reforço da campanha, mudança da imagem da marca em si ou qualquer outro objetivo. Mas nem só de humor vive o BuzzFeed. Vários dos nossos conteúdos de sucesso vem de conceitos não só focados no humor, mas na identificação e nos valores práticos obtidos, como os conteúdos focados em saúde mental, lifestyle ou com forte apelo emocional. 

Como acontece o processo de criação (ou cocriação) das histórias que contém marcas inseridas? E a aprovação?

O cliente vem até nós com uma necessidade específica. Nós enviamos para eles um modelo de briefing para atender as suas necessidades, onde em seguida recebemos essas informações que servem de base para a criação do conteúdo. Sempre respeitando todos os DOs e DONT's da marca, assimilamos seu objetivo com relação ao BuzzFeed. Se existem campanhas, objetivos específicos... A partir daí, criamos algumas ideias que são apresentadas ao cliente, se existe algum ajuste pertinente, conversamos e adaptamos, mas sempre em mente que temos um guideline do Buzz que precisamos seguir já que a nossa audiência é muito exigente e nós também.

Qual geralmente é o feedback das marcas no resultado final? Quais foram os cases mais legais?

Existe todo tipo de cliente, desde aqueles que já têm a cabeça mais aberta ao nosso processo -e consequentemente ao nosso resultado- como aqueles que ainda torcem o nariz para o nosso método e linguagem. Para ambos aplicamos nossa metodologia e procuramos sempre manter o que é melhor para os dois lados, conversando horizontalmente para que todos saiam ganhando. Geralmente quando nos procuram já é visando usar a nossa linguagem mais informal de produção de conteúdo, mas às vezes precisamos nos adequar a visões de agências ou de campanhas específicas para o conteúdo, o que pode ou não afetar o resultado de um post. Uma coisa que sempre temos em mente é: queremos sempre deixar o conteúdo o menos publicitário possível.

Qual a importância do contexto para conectar pessoas e marcas através do conteúdo?

O contexto é importante para despertar gatilhos de compartilhamento nos fãs. Mas existem outros fatores importantes de serem observados como a quantidade de identificação que geramos, que tipo de emoção despertamos, que valores práticos transmitimos e claro, que contextos nos colocamos. O mais importante de tudo isso é priorizar a audiência, não fazemos nada que não gostaríamos de ler.

Geralmente as marcas ou as agências é que procuram o Buzzfeed para produzir conteúdo?

Geralmente são as agências que nos procuram. Mas temos uma equipe excelente de vendas que dá suporte tanto para as agências como diretamente para os clientes.

Gostaria de acrescentar alguma coisa nesta entrevista?

Apenas que, busquem conhecimento (risos). Criar branded content só é difícil se você não pensar nas pessoas. Pensem no que nos faz humanos e o seu conteúdo vai dar certo.

 

Gabriel Grunewald

Deixe seu comentário: