5 passos básicos para contratar influenciadores

Embora a relação entre marcas e digital influencers tenha fomentado o desenvolvimento do mercado nos últimos tempos, ainda há muita dúvida sobre os fatores mais relevantes no momento de decidir qual é o influenciador capaz de canalizar a atenção de sua audiência para marcas e produtos. O fato é que não há uma receita pronta de bolo que funcione para qualquer empresa. Tudo depende da sinergia entre o perfil do influenciador e as características de comunicação da marca e, além disso, os objetivos da campanha.

Para entender um pouco melhor algumas das principais variáveis deste negócio, consultamos Celso Forster, sócio e diretor de atendimento da BR Media Group, empresa que realiza ativações digitais por meio de creators, celebridades, web-celebridades, atletas e ex-atletas. O resultado está abaixo, com cinco passos básicos que vão além do budget para a contratação de influenciadores. Confira:

1 - Tamanho (de base) não é documento

A métrica em geral que se objetiva ao contratar um influenciador está mais relacionada ao engajamento do que ao tamanho de suas redes sociais, assim como a sua adequação e principalmente qual a capacidade de engajamento que ele pode alcançar, sua relevância relacionada à categoria, produto ou serviço que está sendo apresentado/anunciado. O seu endosso deve estar diretamente relacionado à sua credibilidade sobre o tema abordado na ação.

2 - Ninguém sabe vender tudo

Não existe um influenciador genérico que possa falar de qualquer categoria, produto ou serviço apenas pelo fato de ter um grande número de seguidores em suas redes. Daí a importância de conhecer o histórico do influenciador, seus temas com maior engajamento, seu estilo etc. Conhecer sua biografia, seus hábitos, hobbies, preferencias são só mais alguns dos fatores a serem levados em consideração. Portanto, ferramentas que permitam essa busca mais detalhada se tornam fundamentais com o crescimento do mercado de influenciadores.

3 - Cuidado com a sobreposição

Numa campanha onde o objetivo é grande alcance orgânico, devemos entender que a sobreposição dos seguidores dos influenciadores selecionados deverá ser analisada com critério, pois se essa sobreposição for elevada estaremos reforçando a frequência (uma vez que muitos seguidores que seguem esses mesmos influenciadores verão o post ou vídeo mais de uma vez) e não a cobertura da campanha como objetivada.

Quando contratamos um influenciador não estamos contratando um Garoto (a) Propaganda

4 - Onde estamos mesmo?

A geo-localização dos seguidores de cada influenciador vem se tornando outro fator relevante dependendo do tipo de campanha. O fato de um influenciador ser de Brasília, por exemplo, não quer dizer que seus seguidores em sua maioria sejam de lá. Podem ser de São Paulo, Rio ou mesmo do Sul do país. Com isso uma campanha que teria um objetivo apenas regional ou local teria uma alta dispersão. Assim como a idade. Um influenciador com 22 ou 23 anos pode ser muito forte junto ao grupo etário de 12 a 15 anos.

5 - Não tem nada a ver com a voz da marca

H2H (human2human) - A maioria dos clientes já entendeu, mas sempre vale reforçar que quando contratamos um influenciador não estamos contratando um Garoto (a) Propaganda que vai seguir o roteiro exato criado pela agência. Estamos contratando alguém que vai usar as suas próprias palavras para falar da marca/produto para outras pessoas. Não o linguajar do anunciante. Tem que ser verdadeiro, enfim ser ele (a) mesmo. Isso que vai gerar engajamento, comentários positivos e compartilhamentos. Quando a linguagem é a da marca e os seguidores percebem, as críticas à marca e ao próprio influenciador serão inevitáveis. 

Renato Rogenski

Deixe seu comentário: