Growth hacking – Mais que uma buzzword, é um novo framework de marketing e vendas

No Brasil estamos acostumados a entender hacker como sinônimo de invasão de computadores. Porém, hackear alguma coisa, na maioria das vezes, significa modificá-la para atender aos seus propósitos.

Existem os hackers que acessam sistemas de computadores para modificar ou roubar informações, mas também existem aqueles que hackeiam equipamentos diversos e até o comportamento humano, muitas vezes, para melhorar a performance da máquina ou da pessoa.

Growth significa crescimento. No mundo das startups e empresas de tecnologia growth hacking é o termo que se criou para nomear processos criados para melhorar a performance de crescimento da base de clientes de uma empresa.

O growth hacker é um profissional híbrido de tecnologia e marketing.

Apesar desses hacks quase sempre usarem bastante tecnologia, eles se baseiam principalmente no estudo do comportamento e dos hábitos dos usuários.

O termo surgiu em 2010, cunhado pelo empreendedor Sean Ellis, porém um dos mais antigos cases de growth hacking conhecidos é o Hotmail, em 1996.

Depois do Hotmail ter uma frustrada experiência com anúncios em outdoors e revistas, Tim Draper, um dos investidores, sugeriu adicionar no rodapé dos e-mails a seguinte mensagem: “P.S.: Get your free e-mail at Hotmail”. 18 meses depois eles tinham 12 milhões de usuários, numa época em que a internet toda tinha 30 milhões de usuários.

Outras grandes empresas da atualidade, como Facebook, Dropbox, Uber e Airbnb, possuem profissionais e às vezes times inteiros dedicados ao crescimento. O growth hacker é um profissional híbrido de tecnologia e marketing. É preciso entender a mente das pessoas e alterar o processo de marketing e vendas para fazer com que o usuário seja parte integrante da sua estratégia de captura de novos clientes.

Por outro lado, growth hacking não são uma dúzia de segredos que você vai aprender em artigos ou eventos. 

Apesar de novas buzzwords sempre serem vistas com certo preconceito pela fatia mais experiente do mercado, é bom ressaltar que as técnicas de growth hacking, além de terem características exclusivas, como o uso da tecnologia de forma criativa, trazem um novo processo que deveria ser olhado com calma pelo marketing tradicional.

Um processo completo de growth hacking envolve a aquisição de leads, a conversão desses leads em clientes ativos, a análise da lucratividade e satisfação desses clientes e mecanismos para fazer com que cada cliente seja parte da estratégia de crescimento exponencial, trazendo mais clientes.

Por outro lado, growth hacking não são uma dúzia de segredos que você vai aprender em artigos ou eventos. É preciso estudar seu público-alvo profundamente, dominar diversas técnicas de marketing e saber como combiná-las com tecnologia. Muitas vezes é preciso redesenhar seu produto, serviço ou a empresa toda para torná-la aderente às estratégias de crescimento.

Clique aqui para saber mais.

Conheça também os outros cursos de Pós-Graduação e MBA da ESPM, que estão com inscrições abertas (veja aqui), além da novidade dos cursos matutinos – das 7h às 9h – na unidade Vila Olímpia-SP.

Edney “InterNey” Souza é consultor de Marketing especializado em conteúdo, eventos e mídias sociais, professor de Marketing Digital, Design Thinking, Novos Modelos de Negócios e Redes Sociais, na ESPM e na ComSchool. É organizador e curador da Social Media Week São Paulo, curador do Catarse e conselheiro na ABRADi-SP. Já foi sócio de seis startups diferentes e hoje vive o sonho brasileiro do home office

Native Ads

Deixe seu comentário: