El Ojo 2017

Você sabe a diferença entre um publicitário e um rockstar? Elvis pode te ajudar

ojo

Talento, altos salários, temperamento ácido, comportamento de estrela, muitos seguidores e admiração da indústria. Por algum tempo, em alguns lugares do mundo, essas foram algumas das semelhanças entre os publicitários e os maiores nomes do rock. Mas não foi exatamente essa a metáfora que o VP e CCO da DDB Espanha, José Maria Roca, trouxe para o palco do Festival El Ojo de Iberoamérica 2017. Isso não significa que a comparação de sua apresentação tenha sido menos interessante por conta disso. Muito pelo contrário.

Antes de explicar o título de sua palestra “Somos Rockstars - e que ninguém nos tire isso”, o publicitário explicou que muitos profissionais estão esquecendo o que são e por que estão onde estão. “Parece que os reis do negócio são somente os dados e nós não temos nada para jogar”.

Para Roca, não há dado sem conteúdo, e não há conteúdo e nem dado sem conexão com o público. Para explicar sua tese, ele mostrou um quadro com quatro figuras importantes. O público acertou apenas a primeira: Elvis. Quem eram as outras? O criador da internet, o cofundador do Youtube e o cofundador do Spotify. “Sabe por que todo mundo só conheceu o Elvis? Ele tinha uma história. E essa história reúne itens essenciais. Ele foi um artista relevante, inovador, bonito, liquido, desafiador e influente. Até os Bealtles já disseram que não existiram sem o Elvis”, analisou.

Na real, para o executivo, a publicidade precisa ser o Elvis deste negócio. Como? Construindo uma história com os mesmos atributos do “rei do rock”. Abaixo, ele mostrou cases que contém alguns desses elementos:

Relevância

Nesta ação criada no Brasil, o Walmart aproveitou o número na camisa de times de futebol para anunciar o preço de alguns produtos, gerando bastante buzz.

Inovação

Para destacar o limite de bebida permitido para pessoas que vão pegar o carro, meia grama por litro, a campanha do Pacifico criou um banner no YouTube que convidou os usuários a retardar a velocidade da reprodução do vídeo em 0,5. O curioso efeito fez parecer que celebridades e políticos influentes estavam bêbados em suas declarações.  

Bonito

Para Roca, uma boa ideia mal produzida é uma campanha ruim. O exemplo de “beleza” estética em propaganda é um case da Audi.

Líquido

As campanhas precisam fluir para engajar de maneira mais assertiva, independentemente da plataforma. É isso que faz esse case da BBVA em mídia impressa. Literalmente um anúncio que tirou o fôlego dos leitores:

Watch video!

Desafiador

Esse case da David Delfín põe em evidência as desigualdades e injustiças que as mulheres sofrerem nos mais diversos países pelo mundo.

Para concluir sua apresentação, Roca decidiu contar o que chamou de uma história “relevante, bonita, líquida, desafiadora e influente”. “Não sou contra dados ou tecnologia. Pelo contrário, adoro tecnologia, adoro dados. Não podemos subestimá-lo, caso contrário perderemos uma ferramenta chave para o desenvolvimento de nossa história e nossas marcas. Mas também não podemos acreditar dado é tudo, pois assim perdermos nossa história. E nós somos rockstars! Criamos histórias para que, então, os dados as movam".

A cobertura do festival El Ojo Festival de Iberoamerica tem patrocínio da Squid e apoio da Klan011.

 

Deixe seu comentário: