Facebook dá dicas para a fanpage de sua marca

<p>
	Facebook d&aacute; dicas para a fanpage de sua marca <em>(Reprodu&ccedil;&atilde;o)</em></p>

O Facebook já conta com uma audiência de 80 milhões de pessoas no Brasil. A maior rede social do mundo é uma grande oportunidade de negócio para os anunciantes. Qualquer empresa, seja pequena, média ou grande, pode criar sua fanpage. Mas será que todas estão fazendo bom uso da oportunidade? O Adnews bateu um papo com Cris Dias, creative strategist da rede no Brasil, para saber quais os segredos para uma boa gestão de página.

Primeiro passo: pense numa frase que defina o objetivo da empresa na rede de Mark Zuckerberg.  “Sua marca tem que ter um ponto de vista”, diz Cris. Mas o que isso significa? O criativo dá alguns exemplos. “O Facebook de Nike, por exemplo, existe para você libertar o seu atleta interior”. Outras marcas, concorrentes da gigante de materiais esportivos, possuem outros pontos de vista. Não há certo ou errado, mas espécies de “linhas editoriais” para as empresas.

Neste ponto, vale ressaltar que é preciso ter cuidado com os chamados posts de oportunidade. Sim, você pode homenagear os carecas no Dia dos Carecas, por exemplo. Mas tal atitude realmente dialoga com seu público e com o restante de seus posts?

“Toda marca tem que saber por que ela está no Facebook”, diz o criativo. Exemplos brasileiros? Repare na página do Itaú. Ela é praticamente toda focada na campanha #issomudaomundo. “Se você entrar lá, não vai ver ‘compre sua casa própria no Itaú’ ou ‘instale a nova versão do guardião’. O Itaú fala disso tudo em outras mídias. Ele sabe que o Facebook tem papel de criação de marca”, analisa Cris.

Tome cuidado com o engajamento que gera cliques, mas que não promove sua marca, muito menos gera resultados concretos para ela. Segundo o criativo, cair no truque da “foto do gatinho” ou do “curtiu? Compartilha!” é muito fácil. Mas é preciso lembrar: sua marca está ali para fazer propaganda. Recorde que seus posts disputarão atenção com a foto dos filhos de seus amigos e com o álbum de férias de seus parentes.

Uma boa regra para ter em mente é “alcance e frequência”. É preciso falar com o máximo de usuários possíveis dentro do seu target, o número de vezes suficientes para a mensagem fixar.

“Quem trabalha com televisão sabe disso. Eu não posso veicular o meu comercial só uma vez no Super Bowl, por exemplo. Só a Apple fez isso em 1984 e hoje em dia não faz mais. Então, eu preciso de frequência. Se eu faço um post ‘Feliz Dia do Careca’ uma vez, ele vai ficar esquecido. O que a gente defende é que se o Dia do Careca é uma data importante pra sua marca, isso tem que virar uma campanha”, defende.

Veja o exemplo de Coca-Cola e Brahma. Ambas estão falando de Copa do Mundo desde 2012. Quando o evento acontecer, qual marca terá mais adesão à competição: a que está falando do Mundial há dois anos ou aquela que vai fazer um post no dia do jogo?

Em relação à operacionalidade, isso vai depender de sua estratégia. Fotos ou links? Frequência de publicações? Texto longo ou curto? Só você saberá. O dia a dia e o relacionamento com o internauta responderá tais questões. “A sua marca tem que saber a sua fórmula secreta. Isso muda de acordo com teu público. Ele acessa mais o Facebook pelo computador ou pelo celular? Isso já muda seu tipo de postagem”, exemplifica Cris.

Tome cuidado na hora de promover sua página, não jogue dinheiro fora. “Se você simplesmente aperta aquele botão Boost Post (Impulsionar Publicação), você tá desperdiçando a ferramenta. Essa é fórmula secreta do Facebook, conteúdo certo, para as pessoas certas, na hora certa”. Ou seja, se quer promover a publicação, segmente de maneira inteligente. De que adianta um estabelecimento em São Paulo promover ads para outras cidades, por exemplo?

“Você não pode almejar ter o máximo de fãs possíveis, você tem que ter os fãs certos”, analisa o criativo. “Isso não é novidade nenhuma, o Facebook não inventou nada disso, quando você faz anúncio no rádio também tem que pensar isso”, reitera.

E se sua página não trabalha assim, será preciso voltar do zero. Para Cris, é preciso fazer um trabalho de “desapego” da estratégia atual e pensar em algo novo, que gere fãs verdadeiros e, consequentemente, amplie os negócios da marca.

Caso precise de exemplos de empresas que obtiveram sucesso na rede de Mark Zuckerberg, visite a página Facebook para Negócios aqui.

Por Leonardo Araujo

Deixe seu comentário: