Infográfico da Omelete revela tendências de consumo para o Dia dos Pais

pai

O Dia dos Pais, de fato, não é a data mais comercial do calendário brasileiro – Dia das Mães e Natal, por exemplo, costumam ser muito mais esperados pelo comércio local. Este ano, segundo pesquisa da Omelete Inteligência, os pais brasileiros confirmam essa tendência e dizem querer ganhar mais gestos emocionais do que objetos de valor material. De acordo com o estudo, 41% dos entrevistados esperam por um gesto de carinho dos filhos.

Como reflexo de uma economia instável, o segundo maior desejo para o Dia dos Pais é um presente criado pelo próprio filho, expectativa de 38% dos entrevistados. Já 7% dos pesquisados acredita que não irá ganhar nada, enquanto 12% se dividem entre vestuário, eletrônicos, livros e outros agrados.

Já em relação ao lazer para a data, 59% dos pais brasileiros devem comemorar em casa ao invés de sair para algum programa com os filhos. Estar com os filhos, aliás, é prioridade na data para 83% dos ouvidos pela pesquisa da Omelete Inteligência.

Segundo Ana Del Mar, CEO e founder da Omelete Inteligência, os dados ajudam o mercado de comunicação a se preparar para a data, pois revelam dados estratégicos que contribuem para a construção de uma comunicação mais direcionada ao anseio dos pais.

“A Omelete Inteligência busca entregar pesquisas com dados que possam ser colocados em prática. O levantamento do Dia dos Pais, especificamente, ajuda a entender como eles querem ser presenteados na data: mais do que itens de valor, os pais querem ser surpreendidos e emocionados. Entender o anseio do consumidor é uma forma de criar diálogos mais eficientes e as pesquisas ajudam nesse sentido”, comenta a executiva.

A pesquisa de Dia dos Pais foi realizada com 290 pais de vários perfis: biológicos, pais-mães, pais-tios, pais de coração, pai-irmão, pais adotivos, entre outros. Os insights completos do estudo, como presentes inesquecíveis e aqueles que eles não gostariam de ganhar, estão disponíveis no infográfico abaixo, criado para ilustrar a pesquisa.

Deixe seu comentário: