O mercado amadureceu e agora começa a entender melhor o conceito de design thinking. Essa mudança fez com que a Echos, laboratório de inovação, pudesse a partir de agora apontar para um novo passo da inovação. A empresa assume um posicionamento de marca voltado para a construção de futuros desejáveis por meio do design, unindo os desejos dos consumidores e sociedade com as tecnologias emergentes.

A empresa é pioneira em Design Thinking no Brasil, quando a marca surgiu em 2011 o assunto era pouco entendido. Hoje, a Echos já é referência em um mercado que começa a compreender a abordagem e o quanto ele é importante para a construção de uma cultura de inovação. Assim, a Echos dá um passo além e propõe o design de futuros desejáveis. De acordo com Mario, a mudança foi extremamente natural, no processo de atualização percebeu-se que esses elementos já existiam no DNA da empresa, porém, não eram expressados claramente.

A identidade visual passou por mudanças, o logo deixou de ser um quadrado laranja e o nome Echos está expresso em forma mais livre, com mais variação de cores. Os diamantes que ficavam escondidos estão com mais destaque, assim como as cores vermelho e roxo. O site do laboratório também está sendo reestruturado, oferecendo uma nova experiência de navegabilidade e contratação dos cursos.

Seguindo essa premissa, a unidade de negócios para experiências de aprendizagem, chamada Escola Design Thinking, lançou ainda em dezembro de 2018 o curso Design de Futuros Desejáveis, no qual os alunos aprendem as técnicas para desenhar futuros inclusivos e estratégicos para corporações, governos, pequenos negócios e para a sociedade civil. Além de novas turmas do curso, a Escola tem projetos para lançar pelo menos mais quatro ao longo do ano, tanto em experiências de curta duração, de 1 a 3 dias, quanto especializações com duração de 3 meses.

Tags:
Deixe seu Comentário

Leia Também

AdInsights

+ Ver mais

A Gillette sabe o que faz. Já Neymar…

por Adinsight por Leonardo Araújo

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald