Absolut responde comentários homofóbicos com um time de peso

absolut

O mês de junho tornou-se o "Mês do Orgulho Gay" por sediar dois momentos muito importantes para a comunidade LGBTQ+: é tradicionalmente o mês da Parada em São Paulo e o Dia do Orgulho, que acontece em 28/06. Apesar de existirem datas que ressaltam a importância da afirmação e aceitação, existem estatísticas alarmantes de crimes de ódio no Brasil que só crescem. De acordo com estatísticas levantadas pelo Grupo Gay da Bahia, a cada 26 horas, uma pessoa LGBTQ+ é atacada e morta no país. Para apoiar o movimento, a Absolut, uma marca engajada contra a homofobia, criou uma ação especial para esse mês.

Para fazer uma reflexão sobre esta estatística em particular e mobilizar as pessoas a discutirem esse problema, a marca garimpou em suas redes sociais comentários homofóbicos e, em uma ação inovadora, responderá aos comentários. Afirmações como "Eu não julgo, mas Deus criou o homem e a mulher. O resto é transgressão e tem consequência" e "Não tenho preconceito, mas não sou obrigado a aceitar", assim como “Ser simpático à causa LGBTQ+ é segregar, separar as pessoas” são alguns exemplos do que foram encontrados no Facebook e Instagram de Absolut. 

A melhor forma que produtora de bebidas encontrou de responder a esse tipo de posicionamento foi convidando um time de 26 pessoas que estão envolvidas na luta LGBTQ+ para darem suas respostas aos comentários. São 26 pessoas para responderem 26 posturas e afirmações que têm o potencial de ferir ou até matar alguém.

Dessas 26, cinco frases foram escolhidas para abraçar essa campanha de Absolut e elas virarão OOH em pontos cuidadosamente selecionados. Os pontos foram escolhidos todos ao longo da Avenida Paulista, justamente porque em cada um deles um crime de ódio aconteceu com pessoas LGBTQ+. A Hashtag criada para essa ação é #AmorResiste.

A ação teve início na quarta-feira (20) e se estenderá até a próxima quinta-feira (28), Dia do Orgulho. As pessoas convidadas criarão uma grande conversa e corrente para colocar o diálogo do amor e aceitação em evidência, usando isso como ferramenta contra o ódio.

 

Deixe seu comentário: