Imagine uma agência que desenvolva ideias para o Youtube e só cobre o anunciante se tal ideia der certo? Bom demais para ser verdade? Pois foi com esta proposta de trabalho que a 301.yt nascia há quase um ano, fundada e tocada pelos sócios Wagner Martins e Rodolfo Mieskalo. O Adnews visitou a agência para saber quais os resultados do trabalho neste primeiro ano.

"Não criamos ideias, desenvolvemos ideias", é a premissa da agência que defende: um dos momentos mais importantes do trabalho acontece depois do upload. Para a 301.yt, o Youtube não é apenas um lugar para colocar os vídeos que a marca produz na TV, por exemplo. Há um ecossistema diferente dos outros meios, com as assinaturas, canais, etc.

Outra diferença clara para as agências tradicionais é a maneira/local de trabalho da 301.yt. Não é só a remuneração, a agência tem cara e jeito de startup. Nada de prédios suntuosos e recepção soberba, ela funciona embaixo de uma garagem numa casa da Vila Mariana, em São Paulo. Algumas das cadeiras que compõem o local foram tiradas de um cinema. Além disso, uma gata de estimação "recebe" os convidados.

"A nossa grande vantagem competitiva não é estar há um ano e meio à frente e imersos em Youtube. Qualquer um pode fazer uma imersão e chegar no nível de conhecimento que a gente tem. Eu acho que um outro diferencial competitivo é nossa maneira de trabalhar. A maneira de se organizar internamente. Não é só entender o que a gente faz, mas hackear essa falha que o mercado de publicidade tem. A nossa meta é ter turnover zero", afirma Martins.

Gustavo Silveira, o novo sócio da 301.yt, chegou para corroborar uma afirmação de Wagner Martins feita ao Adnews no início da agência. "Meu objetivo é reunir todos os meus amigos como meus sócios", disse numa entrevista em janeiro deste ano. Silveira, vale lembrar, era colega de Martins na Espalhe.

Além de um terceiro sócio, o primeiro ano da 301.yt foi marcado por outros acontecimentos. A começar pela repercussão de seu lançamento. O destino de Martins, ex-sócio da Espalhe, após a venda da agência para o MSLGROUP da Publicis, foi notícia nos principais veículos do mercado. Um dos grandes motivos foi a proposta de trabalho da 301: cobrar apenas se o trabalho desse certo.

Após um ano, Martins avalia que a adoção do modelo foi positiva. Entretanto, Mieskalo ressalta que a Copa do mundo dificultou um pouco os trabalhos, já que as verbas estavam direcionadas. Porém, jobs para Skol, Meu Móvel de Madeira e, recentemente, colégio Pueri Domus, dão o tom de como a 301.yt observa o Youtube.

Os vídeos seguem uma proposta e são modificados de acordo com os indicadores. "Trabalho em progresso é o que melhor define o que fazemos", diz Mieskalo. Cada caso oferece uma ligação com a marca. O de Skol, por exemplo, mostra como cozinhar "tudo" numa churrasqueira. O de Pueri Domus coloca os próprios alunos do colégio entrevistando grandes executivos.

A aposta dos rapazes possui fundamento. Em 2013, 66% de todo o tráfego IP do mundo era representado por Vídeo IP. O valor será de 79% em 2018, aponta relatório da Cisco. "Tudo de mais moderno e que serve como referência não está saindo da Globo", afirma Wagner para ressaltar a importância do Youtube. "É uma onda que se formou, estamos remando e já estamos numa velocidade para ficar em pé", diz Silveira sobre o atual momento.

Mieskalo vai além e diz que não utilizar o Youtube seria comparável ao Homem das Cavernas "optar" por não usar o fogo. "É tão óbvio ", destaca.

Mas Wagner lembra: "Não estamos fazendo coisas geniais aqui. Só queremos fazer coisas que façam sentido no Youtube. […] O 'Manda Brasa' não é para ganhar Cannes. A produção é simples, mas ninguém pode falar que isto não faz sentido no Youtube", analisa.

E você, o que acha do modelo de trabalho da 301.yt? Comente.

Veja alguns cases da agência:

Por Leonardo Araujo