A DM9DDB anuncia o balanço de resultados do primeiro trimestre de 2015. Entre as contas conquistadas pela agência estão Guaraná Antarctica, Walmart, Brastemp, Consul, Kopenhagen e Chocolates Brasil Cacau.
 
A expansão do escopo do atendimento faz parte da estratégia de crescimento da DM9DDB para este ano, plano que ganhou força em setembro do ano passado, quando Igor Puga se juntou ao time para assumir o cargo de Chief Interactive Officer.
 
“O balanço destes seis meses de trabalho na DM9 com cases relevantes para Banco Itaú, Guaraná Antarctica, C&A, McDonald´s entre outros  indicam que estamos no caminho certo”, afirma Puga. A conta do Mc Donald´s Digital, por sinal, foi a cliente inaugural desta nova fase da agência.
 
Para atender a demanda, Igor Puga incrementou a equipe, trazendo profissionais mistos e a agência investiu em novos processos e ferramentas. “A mudança é estrutural com impacto no nosso modelo de negócio”, afirma Alcir Gomes Leite, copresidente da DM9, “foi preciso mudar o perfil de novos profissionais, alterar processos, criar um novo jeito de trabalhar”, completa.
 
Outro ponto destacado pela agência foi o investimento em ferramentas. “Ano passado inauguramos a sala digital e desde então estamos investindo em ferramentas que tornam a gestão e a inteligência de dados mais eficiente. Nosso propósito é unir alta performance com sólida estratégia de construção de marcas”, afirma Paulo Queiroz, copresidente da DM9DDB.
 
Além das contas, o resultado do novo modelo de trabalho digital da DM9DDB veio nas campanhas veiculadas recentemente. Itaú Seguros, lançamento do Guaraná Antarctica Black, C&A, Johnson & Johnson são alguns exemplos de marcas que colocaram campanhas com alto nível de convergência on e off line assinadas pela agência.
 
Redação Adnews
Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Google

+ Ver mais

Quer falar com mulheres? Olhe para os dados, não para os estereótipos

por Artigo de Kate Stanford, diretora global de marketing e publicidade no Youtube

Especial TV Aberta

+ Ver mais

Como a TV conversa com o Youtube?

por Gabriel Grunewald